22 de Junho de 2018 | 23:19

Campo Grande, MS °C
-->
Noticia de: 01 de Novembro de 2017 - 10:25
Fonte A - A+

No Senado, subcomissão presidida por Moka discute projeto sobre doenças raras

A Comissão de Assuntos Sociais do Senado, por meio da Subcomissão Especial sobre Doenças Raras, está preparando um projeto com regras claras e objetivas em defesa dos direitos das pessoas com doenças raras, disse o senador sul-mato-grossense Waldemir Moka (PMDB), que preside o colegiado que trata do assunto no Congresso.

Formado pela CAS, Subcomissão Especial sobre Doenças Raras, Ministério da Saúde, Anvisa e associações de pacientes para elaborar, o colegiado tem como objetivo propor iniciativas para a melhoria da qualidade de vida das pessoas com doenças raras, e está colhendo propostas para a elaboração do projeto, segundo Waldemir Moka.

“A gente deve conseguir um projeto de lei que contenha as coisas principais e que direcione o Ministério da Saúde para um atendimento especializado e dê a orientação. E os casos urgentes, nós estamos tratando”, explicou o senador.

A presidente do Instituto Vidas Raras, Regina Próspero, representante das instituições de pacientes, entregou as propostas das associações que devem integrar o projeto, visando resolver os atuais problemas enfrentados pelas pessoas com doenças graves.

“Foi solicitado a adoção de medidas do Poder Executivo, o aperfeiçoamento da gestão do SUS com o fim de garantir a realização de exames genéticos já incorporados, mas que por algum motivo não estão sendo realizados”, disse ela.

Daniela Cerqueira, da Anvisa, afirmou que desde a reunião anterior com a subcomissão, feita em setembro, a agência já definiu novas regras para que os medicamentos para tratar doenças raras sejam priorizados na fila de certificação.

“A norma de doenças raras vai permitir o registro e a condução de ensaios clínicos de medicamentos de uma forma bem mais célere no Brasil”, afirmou.

O senador Moka propôs uma reunião na próxima semana com senadores, órgãos do governo e associações de pacientes para discutir os pontos divergentes. De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde no Brasil são mais de 13 milhões de pessoas com doenças raras.

social aqui