22 de Junho de 2018 | 23:12

Campo Grande, MS °C
-->
Noticia de: 21 de Junho de 2017 - 12:36
Fonte A - A+

Santa Casa passa a ser sede da Organização de Procura de Órgãos no Estado

O trabalho será feito por meio de visitas presenciais nos hospitais da Capital e via telefone ou e-mail nos hospitais do interior em busca ativa de pacientes

 

Desde o dia primeiro deste mês, a Santa Casa de Campo Grande assumiu oficialmente a sede da OPO (Organização de Procura de Órgãos) do Estado, que antigamente estava sob responsabilidade do Hospital Regional. A OPO congrega grupos de coordenação regional sob responsabilidade do Estado e os mesmos são responsáveis por organizar e apoiar o processo de doação e transplantes no âmbito da sua área de atuação.

 

Neste primeiro momento a equipe atenderá Três Lagoas, Dourados e Campo Grande com a intenção de estender o atendimento para as demais cidades do Estado com potenciais doares diagnosticado com morte encefálica. O trabalho será feito por meio de visitas presenciais nos hospitais da Capital e via telefone ou e-mail nos hospitais do interior em busca ativa de pacientes.

 

Nos próximos dias serão realizadas visitas em Três Lagoas e Dourados para apresentação da equipe, e falar da importância do trabalho da OPO no processo de doação de órgãos para transplantes, além disto, oferecer treinamentos aos membros dos hospitais para identificar os potenciais doadores e realizar todo o processo que envolva a doação e transplante.    

 

A Santa Casa é referência em neurologia e pacientes vítimas de politraumatismos e, além disso, a única instituição do Estado que realiza transplante de rim. De acordo com a coordenadora de enfermagem da OPO, Ana Paula Silva das Neves, o hospital se tornar sede da OPO aumentará as doações e consequentemente os transplantes além de transferir o modelo de trabalho da instituição para outros locais. “A equipe do hospital atua a mais de 15 anos desenvolvendo trabalhos intra-hospitalares, e agora a missão é transferir este modelo para os demais hospitais a fim de aumentar o número de notificações e de doadores. O maior beneficiado do nosso trabalho será a população, pois contará com um serviço de excelência nos hospitais”, afirma.

 

Em 2016, foram registradas 125 mortes encefálicas. Destas, 61 tiveram recusa médica e 64 famílias foram encaminhadas para entrevista com a Comissão, mas apenas 25 autorizaram a doação de órgãos e 39 recusaram. Ao todo, foram captados 44 rins, 12 fígados e seis corações. De janeiro a maio de 2017, a Santa Casa registou 39 mortes encefálicas. Destas, 14 tiveram recusa médica e 25 famílias foram entrevistada pela CIHDOTT (Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes), mas apenas 11 doaram os órgãos e 14 recusaram a doação. Até agora foram captados 20 rins, um pulmão e cinco fígados.

 

A equipe da OPO é composta pela coordenadora médica, Dra. Patrícia Berg Pereira Leal, coordenadora enfermeira, Ana Paula Silva das Neves, os enfermeiros, Rodrigo Correa Gomes da Silva e Marcia Heloisa Flores, as técnicas de enfermagem, Geici Santiago, Jéssica Campos da Silva e Rosana da Silva e a assistente administrativa, Fernanda Fogaça. A equipe está à disposição 24 horas todos os dias da semana nos telefones 3322-4314 ou 98472-5158.

 

 

social aqui