16 de Janeiro de 2018 | 21:33

Campo Grande, MS °C
-->
Noticia de: 16 de Maro de 2017 - 09:58
Fonte A - A+

Politicando

Jota Menon

GORJETA MILIONRIA

O ex-executivo da Odebrecht Fernando Migliaccio disse em depoimento ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), na ltima sexta-feira (10), que em apenas um dia a empreiteira distribuiu mais de R$ 35 milhes em dinheiro de propina e caixa dois para campanhas eleitorais.  O executivo no detalhou o dia nem o ano em que isso aconteceu. Migliaccio tambm no identificou para quem foi o dinheiro.

 

GORJETA MILIONRIA (1)

Ele disse apenas que o montante foi entregue em dinheiro vivo, pulverizado para vrias pessoas. O depoimento foi feito sob sigilo ao ministro Herman Benjamin. Segundo informaes obtidas pela Folha, o ex-executivo contou a histria desses pagamentos para mostrar a dimenso do fluxo de dinheiro que passava pelo Setor de Operaes Estruturadas, conhecido como uma espcie de "departamento de propina" da empreiteira.

 

SEMPRE EXISTIU

Aconteceu nos governos do PT com Lula e Dilma, no governo do tucano FHC e nos governos anteriores. Doaes no oficiais de empresas a partidos polticos "sempre existiram" afirmou Emlio Odebrecht, patriarca da empresa que leva seu sobrenome, ao depor ontem como testemunha de seu filho, Marcelo, preso pela Lava Jato, perante o juiz Srgio Moro, em ao contra o ex-ministro Antonio Palocci. O caixa dois era "modelo reinante" no Brasil. "Sempre existiu. Desde a minha poca, da poca do meu pai [Norberto] e tambm de Marcelo", afirmou.

 

SEMPRE EXISTIU (1)

A Odebrecht doava a todos os partidos, "por dentro e por fora". Emlio, que se afastou da rotina da empresa em 2001, disse que em sua poca s um responsvel cuidava das doaes no contabilizadas. Seu filho e sucessor Marcelo estabeleceu um sistema mais ambicioso, criando o Setor de Operaes Estruturadas, um "departamento da propina".

 

permitida a reproduo desde que citada a fonte: http://www.marcoeusebio.com.br/coluna/sempre-existiu-caixa-2-diz-emilio-odebrecht/52194

Copyright Marco Eusbio - Entrelinhas da Notcia

 

EM CANA

A Polcia Federal deflagrou na manh de ontem (14) mais uma operao derivada da Lava Jato no Rio de Janeiro. Foram cumpridos mandados de priso e de busca e apreenso na ao que mira pagamentos de propinas e lavagem de dinheiro em contratos da linha 4 do metr. Heitor Lopes de Souza Jnior, diretor de Engenharia da Rio Trilhos, e Luiz Carlos Veloso, ex-secretrio de Transportes do governo Srgio Cabral (PMDB), j esto na cadeia.

 

ENTRA E SAI

Antecipada por uma boataria que circula de duas semanas para c, o governo de Reinaldo Azambuja, do PSDB, deve anunciar at o dia de hoje (15), as mudanas de nomes no primeiro escalo da gesto tucana em Mato Grosso do Sul. O diretor-presidente da Fundao da de Turismo de Mato Grosso do Sul, Nelson Cintra, ser trocado por Bruno Wendling, filho da jornalista e escritora, Theresa Hilcar.

 

ENTRA E SAI (1)

Turismlogo pela faculdade PUC Minas, Wendling, vai ocupar o cargo de superintendente da Fundao, rgo que ser subordinado Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econmico e Meio Ambiente, pasta chefiada por Jaime Verruck. Em seu Facebook, el diz que j trabalhou como tcnico da Fundao que vai comandar e que j atuou como consultor do Ministrio do Turismo.

 

ENTRA E SAI (2)

Outra mudana j tida como certa, o do chefe da Casa Civil, Srgio de Paula, tido como um homem forte do governo de Azambuja. De Paula segue para o PSDB, partido do governador e sua misso por l ser a de articulador poltico. Para seu lugar cogita-se a nomeao de Nelson Cintra Ribeiro.

 

CONTAS REJEITADAS

A Justia Eleitoral desaprovou as contas de 16 candidatos a vereador e quatro partidos de gua Clara, 193 quilmetros de Campo Grande, conforme publicao no dirio oficial de ontem, tera-feira (14). A prestao referente a eleio do ano passado. Nas decises do juiz substituto, Idail de Toni Filho, PT, PMDB, PDT e PTB cometeram irregularidades.

 

CONTAS REJEITADAS (1)

Entre elas omisso de receitas e aplicao dos recursos arrecadados como o caso do PT, conta bancria aberta aps o prazo previsto em lei como fizeram PMDB e PTB, alm de realizao de despesa aps a data da eleio como fez o PDT.

 

OS CANDIDATOS

J em relao aos candidatos, motivos diferentes os levaram reprovao. Uns declararam no possuir bens, mas os tinham. Outros no procederam a abertura de conta de campanha e o extrato da prestao de conta no est assinado por profissional habilitado em contabilidade. Foram desaprovados: Ivete dos Santos (PMDB), Evandro de Souza (SD), Dilma dos Santos (PV), Atade Rodrigues (PR), Nivalmido da Rocha (PSDB), Jair Nogueira (PR), Roberto de Carvalho (PDT), Oziel Estevo (PTdoB), Ambrosia Gomes (PT), Irani Machado (SD) conhecido como Z do Caixo, Soeli Maia (PSB), Jair Dubiella (PEN), Mrcio Rezende (PSB), Valdeir Carvalho (PMDB), Odair Nascimento (PEN) e Elza de Souza (PRB).

 

APOIADO

Aps se reunirem por mais de duas horas com o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, os lderes do governo no Congresso Nacional reafirmaram apoio ao ministro para continuar conduzindo as discusses sobre a reforma da Previdncia. Os parlamentares alinhados ao Planalto mantm a defesa de que as mudanas so as necessrias para que o Brasil continue tendo condies de sustentar a aposentadoria dos brasileiros. Os lderes se negam a citar pontos do texto da Proposta de Emenda Constituio (PEC) 287/2016 que eventualmente poderiam ser alterados.

 

 

LIVRO

Chega s livrarias no dia 27 de maro "Dirio da cadeia", assinado por ningum menos que Eduardo Cunha. Mas moda de Elena Ferrante, pseudnimo de uma escritora italiana de quem ningum sabe o verdadeiro nome, o livro foi escrito por um autor secreto. A Record, por contrato, no divulgar o seu nome. Em princpio, apenas o editor Carlos Andreazza e a dona da Record, Sonia Jardim, sabem a identidade do autor verdadeiro.

 

LIVRO (1)

De modo intencional, a editora embaralha a realidade e estampa na capa uma referncia ao livro que Cunha (o verdadeiro) prometeu escrever na cadeia, intitulado 'Impeachment'. Michel Temer obviamente personagem importante do livro. Eis um trecho: Acho que o presidente em exerccio (que s est l porque eu iniciei o processo de impeachment) est tentando se proteger porque eu convoquei ele como minha testemunha. uma caracterstica de Michel Temer: sempre que se v ameaado ele divulga alguma coisa: um whattsapp, uma carta, at poesia o sensvel faz!". As informaes sobre Dirio da cadeia so do blog de Lauro Jardim, na Veja.  

 

VIVA O PORCO!

E eu no tenho o direito de estar me achando o ltimo corzinho da goiaba. Viva o Porco! 

social aqui