19 de Novembro de 2018 | 03:18

Campo Grande, MS °C
-->
Noticia de: 27 de Dezembro de 2016 - 10:34
Fonte A - A+

Conjuntura

Willams Araújo

Divulgação

Crença

Envolvido em investigação da Operação Lama Asfáltica, André Puccinelli (PMDB) ainda nutre esperança em poder disputar as eleições para o governo de Mato Grosso do Sul em 2018. Nas redes sociais, o ex-governador tem demonstrado esse interesse mesmo sabendo da gravidade das acusações sobre suposto desvio de recursos do Erário. Além do mais, pesa contra ele o fato de ter deixado um cemitério de obras inacabadas, entre as quais, o emblemático Aquário do Pantanal.

Trava

Em julho deste ano, a 3ª Vara da Justiça Federal bloqueou bens do ex-governador sul-mato-grossense, conforme informação confirmada pelo advogado René Siufi, que defende o peemedebista. Investigação da Polícia Federal sobre lavagem de dinheiro teria motivado o bloqueio. O bloqueio fez parte da Operação Lama Asfáltica em sua segunda fase, a Fazendas de Lama, que forçou André Puccinelli a prestar depoimento da Polícia Federal.

Carimbo

Cliente antigo de André Puccinelli, o Ipems (Instituto de Pesquisas de Mato Grosso do Sul Ltda.) se antecipou ao pleito de 2018 e já emplacou o peemedebista empatado tecnicamente com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), pré-candidato à reeleição. O instituto revela que o líder tucano aparece com 34,77% das intenções de voto na corrida ao Parque dos Poderes, contra 33,07% do rival. O Ipems também sempre é contratado para fazer pesquisa para o ex-prefeito Nelsinho Trad (PTB).

Atrasos

Alguns repasses federais estão atrasados. Eles deveriam ter sido transferidos aos municípios até o início de dezembro. Dentre eles, os recursos do Piso da Atenção Básica Variável (PAB-Variável), destinados aos pagamentos das equipes de Saúde da Família, Saúde Bucal e Agentes Comunitários de Saúde, que já deveriam ter sido transferidos.  Não é à toa que os prefeitos fazem das tripas coração para fechar as contas públicas por culpa desses e outros calotes do governo federal.

Enxaqueca

Diante da realidade financeira das prefeituras, a preocupação da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) aumenta com o atraso nas transferências federais, uma vez que ele compromete o pagamento dos salários dos profissionais das equipes do PSF e dos agentes comunitários de saúde. Além de comprometer o pagamento dos prestadores de serviços de saúde, e principalmente, o atendimento de saúde à população.

social aqui