16 de Janeiro de 2018 | 09:34

Campo Grande, MS °C
-->
Noticia de: 19 de Agosto de 2016 - 10:32
Fonte A - A+

Conjuntura

Willams Araújo

Divulgação

Velhos tempos

Foi-se o tempo em que os políticos conseguiam incorporar bens ao patrimônio deles sem levantar suspeitas até mesmo da Receita Federal. Fazendas e grandes rebanhos de gado, casas, terrenos, carros são alguns dos itens que passavam a engrossar a fortuna de alguns. Mesmo com o Ministério Público atento a essa roubalheira nos dias atuais, muita gente ainda tenta burlar a fiscalização a fim de enriquecer-se à custa do dinheiro do povo. Que o diga o pessoal da operação ‘Fazendas de Lama’, flagrado nesse tipo de conduta.

Remoção

O promotor que recomendou o fim da taxa de vistoria veicular em Mato Grosso do Sul, do contrato da prefeitura de Campo Grande com a Seleta e Omep, da anulação de todas as multas da Agetran, foi afastado da 29ª Promotoria do Patrimônio Público e Social. Fernando Martins Zaupa foi transferido para a 7ª Promotoria, que atua na 1ª Vara de Família à Vara de Falências, Recuperações, Insolvências e cumprimento de cartas precatórias cíveis em geral e à Vara de Execução Fiscal. Uma mudança e tanto.

Mais poder

Mais de três mil candidatos a vereador vão participar do vestibular do voto em Mato Grosso do Sul a fim de garantir salários que variam entre R$ 3.500 a R$ 15 mil. Nada mal para quem dispensa apenas algumas horas do por semana para representar o povo em suas cidades. Aliás, tem município com pouco mais de três mil habitantes, mas com no mínimo nove cadeiras no Legislativo para legitimar as decisões do prefeito. Isso, sem contar o poder de derrubar qualquer decisão técnica do Tribunal de Contas. Com isso, é maior o poder de barganha.

Eu vou

Presidente regional do PMDB, o deputado estadual Júnior Mochi anunciou apoio à candidatura da vice-governadora Rose Modesto (PSDB) à prefeitura de Campo Grande. Liderado pelo ex-governador André Puccinelli, o partido decidiu não lançar candidato à sucessão do prefeito Alcides Bernal (PP). Aliás, Mochi, que é presidente da Assembleia Legislativa, já havia manifestado o desejo de pedir votos para a candidata tucana mesmo com movimentações contrárias dentro do seu partido.

Abacaxi

Integrante da ala xiita do PT na Assembleia Legislativa, João Grandão (PT) fez um movimento dos diabos na quarta contra o projeto de lei que propõe o alongamento das dívidas de estados com a União por 20 anos caso sejam cumpridas medidas de restrição fiscal vinculadas, principalmente, a despesas com pessoal. Avalia que o projeto impute no servidor público a responsabilidade de pagar a conta e prevê alterações previdenciárias e proíbe concursos públicos.

social aqui