15 de Dezembro de 2018 | 16:46

Campo Grande, MS °C
-->
Noticia de: 15 de Agosto de 2016 - 11:30
Fonte A - A+

Conjuntura

Willams Araújo

Divulgação

E o Bernal?

Polêmico, o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), deixou para o último dia de prazo para registrar sua candidatura à reeleição. Deve comparecer na Justiça Eleitoral para protocolizar o documento nesta segunda-feira (15), até porque no dia seguinte a campanha eleitoral já começa oficialmente pra valer. Seus principais adversários, como Rose Modesto (PSDB) e Marquinhos Trad (PSD) fizeram isso na semana passada.

Pé na tábua

Aliás, ao contrário de pleitos anteriores, os candidatos terão pouco tempo para fazer campanha este ano. O negócio é passar sebo nas pernas, caminha muito pelas ruas para expor suas propostas nas ruas. É que a campanha deste ano deste ano  terá a metade do tempo do que as anteriores, conforme estabelecido pelo calendário eleitoral que trouxe uma série de mudanças baseado na reforma eleitoral feita em 2015 (Lei nº 13.165/2015).

Metade

Uma das mudanças mais importantes é a diminuição da campanha pela metade do tempo, passando de 90 para 45 dias. O início do pleito permite aos candidatos a realização de comícios, propaganda eleitoral na internet (sem conteúdo pago) e distribuição de material gráfico. É assim que todos os postulantes aos cargos majoritários (prefeito e vice) e proporcionais (vereador) começam a difícil caminhada às prefeituras e às Câmaras de Vereadores em Mato Grosso do Sul e demais municípios brasileiros.

Trava 1

Se não irá atrapalhar o bom andamento dos trabalhos na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, como prevê o presidente da Mesa Diretora da Casa, Júnior Mochi (PMDB), a previsão é que o começo da campanha nesta terça-feira deve travar a pauta do Congresso Nacional. A expectativa é que não haja sessões deliberativas esta semana. Além disso, lideranças partidárias articulam para que o plenário funcione para votações apenas às segundas e terças-feiras nas duas últimas semanas deste mês.

Trava 2

Em setembro, os trabalhos seriam novamente interrompidos, dessa vez para a campanha eleitoral, conforme acordo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com líderes dos partidos. Pelo calendário acertado pela liderança do governo na Câmara, a única oportunidade de votação de matérias da pauta econômica seria nas duas últimas semanas de agosto, quando poderia ser finalizada a votação do projeto da renegociação das dívidas dos Estados com a União. O início do pleito permite aos candidatos a realização de comícios, propaganda eleitoral na internet (sem conteúdo pago) e distribuição de material gráfico.

social aqui